24 C
Rio de Janeiro
domingo, junho 16, 2024
CasaEditoriasEmpregosTaxa de desemprego do Rio recua para um dígito, feito obtido pela...

Taxa de desemprego do Rio recua para um dígito, feito obtido pela última vez em 2016

Data:

Notícias relacionadas

spot_imgspot_img

Segundo trimestre de 2022 registrou um índice de 9,8%, de acordo com dados da Pnad Contínua

A taxa de desemprego na cidade do Rio voltou a ser de um dígito e foi de 9,8% no segundo trimestre de 2022, algo que não acontecia desde o terceiro trimestre de 2016, quando atingiu 7,9%. Os dados da Pnad Contínua, do IBGE, mostraram ainda um recuo de 5,8 pontos percentuais em comparação com o mesmo trimestre de 2021.

– Esses números são fruto de muito planejamento, trabalho e adoção de políticas públicas eficientes. Sempre falei que era possível colocar a nossa cidade no lugar de destaque nacional novamente e temos feito isso desde o primeiro dia de janeiro de 2021 – destacou o prefeito do Rio, Eduardo Paes.

Além da volta a um dígito da taxa de desemprego, o índice atual mostra que a recuperação do mercado de trabalho no Rio está mais rápida do que no Brasil. Isso porque enquanto a taxa de desemprego brasileira registrou uma queda de 4,9 pontos percentuais no mesmo período, a capital fluminense teve um recuo de 5,8 pontos percentuais.

A oitava edição do Boletim Econômico de 2022, publicação mensal da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Simplificação (SMDEIS), ainda mostra que no segundo trimestre a Região Metropolitana registrou taxa de desemprego de 12,9%. No Estado do RJ a taxa foi de 12,6%, e excluindo a capital, de 14,0%. Em uma comparação nacional, a diferença entre a taxa de desemprego do Rio e do Brasil, que foi de 2,0 pontos percentuais no fim de 2020, está, agora, em 0,5 pontos percentuais (9,8% e 9,3%, respectivamente).

–  O desemprego do Rio, de acordo com o IBGE, atingiu o valor de 9,8%, voltando a taxa ser de um dígito, algo que não acontecia desde o terceiro trimestre de 2016. Além disso, a recuperação do mercado de trabalho está mais rápida do que do Brasil. Segundo o Ministério do Trabalho, desde janeiro de 2021, foram gerados mais de 140 mil empregos formais na cidade do Rio, o que comprova o fortalecimento da economia carioca – explicou o secretário Thiago Dias.

Além das pessoas desocupadas, há as pessoas desalentadas e indisponíveis. Diante disso, existe uma medida alternativa, mais ampla, somando esses grupos. Com o avanço da vacinação e a melhora nas perspectivas econômicas, essa taxa “mais ampliada” recuou 6,3 pontos percentuais entre o segundo trimestre de 2022 e o mesmo período de 2021, passando de 18,8% para 12,5%. Vale ressaltar também que a taxa de “desemprego ampliada” carioca está 3,8 pontos percentuais abaixo do primeiro trimestre de 2020, praticamente pré-pandemia, já que a crise sanitária chegou no Brasil e no Rio na segunda quinzena de março de 2020, impactando pouco o primeiro trimestre de 2020.

O contingente de trabalhadores informais (trabalhadores sem carteira assinada do setor privado, público e trabalhador doméstico; sem CNPJ, empregador e conta-própria; e trabalhador familiar auxiliar), que foram um dos grupos mais impactados pela pandemia, aumentou, passando para 1,1 milhão no segundo trimestre de 2022, com um acréscimo de 217 mil trabalhadores entre o ponto mais baixo (850 mil, no terceiro trimestre de 2020).

Com isso, a quantidade de trabalhadores numa situação mais vulnerável do mercado de trabalho no Rio, que é o somatório das pessoas desocupadas, subocupadas, desalentadas, indisponíveis e informais, chegou a 1,6 milhão de pessoas no primeiro trimestre de 2022, com um recuo de mais de 200 mil pessoas desde o terceiro trimestre de 2021.

E, por fim, a quantidade de pessoas ocupadas no Rio está em plena recuperação, com um aumento de quase 540 mil pessoas ocupadas entre o segundo trimestre de 2022 e o ponto mais baixo, no terceiro trimestre de 2020, totalizando 3,2 milhões pessoas ocupadas no Rio, e tendo voltado ao mesmo nível pré-pandemia.

Já o mercado de trabalho formal no município do Rio, de acordo com dados do Caged, divulgados pelo Ministério do Trabalho, gerou 13,2 mil novos empregos formais em junho de 2022, sendo a maior parte (74,5%) no setor de serviços, principal segmento da economia carioca, sendo também o segmento que mais emprega pessoas. A geração líquida acumulada de empregos formais no Rio, entre janeiro de 2021 e junho de 2022 (18 meses) foi de 141,4 mil novos postos de trabalho, com um fortalecimento a partir do segundo semestre do ano passado, com a aceleração da vacinação. Desse total, 79,3% foram no setor de serviços, 7,8% da construção, 7,4% de comércio e 5,5% da indústria.

No segundo trimestre de 2022, o Indicador de Atividade Econômica do Rio (IAE-Rio), desenvolvido pela SMDEIS, cujo objetivo é acompanhar mensalmente o comportamento da economia da cidade do Rio, apresentou um crescimento, em termos reais, de 1,6%.

A taxa de inflação no Rio nos últimos 12 meses terminados em julho de 2022 foi de 10,6%, em linha com a inflação brasileira (10,1%).

Comentários

Renan Xavier
Renan Xavier
Jornalista, Colunista deste portal, produtor de Rádio e TV e produtor e coordenador de produções na Real Mídia Produtora. Apresentador no Sistema Real de Rádios: Rádio Play, Rádio Mirandela Fm, Rádio Preferida FM, e outras rádio filiais, afiliadas e parceiras na rede. Técnico em TI, audio/ som e sites.

Inscreva-se

- Nunca perca uma notícia com notificações ativas

Últimas notícias

spot_img