24.3 C
Rio de Janeiro
sábado, junho 15, 2024
CasaBaixadaBelford RoxoSem dinheiro para o gás, moradoras de Belford Roxo recorrem ao fogão...

Sem dinheiro para o gás, moradoras de Belford Roxo recorrem ao fogão a lenha

Data:

Notícias relacionadas

Campanha “Agasalho a gente compartilha” é promovida pelo Instituto Assaí

Instituto Assaí, organização independente e sem fins lucrativos que...

Nilópolis e instituições parceiras inauguram a Sala Acolhedora

O prefeito de Nilópolis, Abraãozinho, inaugurou a Sala Acolhedora...

‘Nilópolis abraça o Rio Grande do Sul’

Nilópolis abraça o Rio Grande do Sul'. Este é...

Dia das Mães: Shoppings da ALLOS promovem ações de ‘compre e ganhe’

Mais do que uma data especial no calendário, o...
spot_imgspot_img
Duas moradoras de Belford Roxo, na Baixada Fluminense, relataram ao RJ1 dificuldades com a alta do preço no gás de cozinha. Dona Eliete não pôde mais trabalhar; Dona Rosa reativou seu fogão a lenha.
O bujão no município custava R$ 50 em 2020. Agora, é vendido a quase R$ 100.
Dona Rosa ganha a vida vendendo angu à baiana. Sem dinheiro para o botijão, precisou reativar o fogão a lenha para cozinhar.
“Eu dependo do bujão para vender meu angu à baiana e sobreviver. Estando ao relento, o vento acaba com o gás muito rápido, não dura um mês. É uma situação muito difícil”, disse Rosa.
A dona de casa Eiliete de Lima Ferreira também dependia do gás, com o qual fazia o café que vendia na região — e ganhava R$ 50 por dia.
“Eu estou sem trabalhar desde sexta-feira (15). Na madrugada de quinta (14), acabou o gás”, contou.
A despensa dela já tinha esvaziado quando o botijão zerou. A ONG Sim! Eu sou do meio, que já atendia netos dela, ajudou com o que pôde. A cozinha da entidade também está precisando de doações para manter as 500 refeições por semana.
Por que o preço do gás está subindo?
Desde o início do ano, o preço médio do GLP (gás liquefeito de petróleo), conhecido popularmente como gás de cozinha, aos consumidores subiu quase 30%, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP), passando de R$ 75,29 no final de 2020 a R$ 96,89 no início de outubro. A alta foi 5 vezes superior à inflação acumulada no período, de 5,67%.
Composição dos preços
Primeiro, é preciso entender como o preço do produto é definido.
Ele é composto pelo preço exercido pela Petrobras nas refinarias, mais tributos federais (PIS/Pasep e Cofins) e estadual (ICMS), além do custo de distribuição e revenda.
Desde março, os tributos federais sobre o gás de cozinha em botijões de 13 kg estão zerados. Mas eles representavam apenas 3% de todo o valor final. Assim, outras influências de alta fizeram com que essa redução fosse muito pouco (ou quase nada) sentida pelos consumidores.
Petróleo
O gás de cozinha é produzido do petróleo – de fato, seu nome é ‘gás liquefeito de petróleo’, ou GLP. E os preços internacionais do petróleo tiveram forte alta no ano, puxados, entre outros motivos, pela recuperação do consumo internacional após o forte declínio do ano anterior, resultado da pandemia da Covid-19.
Desde o início do ano, os preços internacionais do barril de petróleo já subiram mais de 40%. Além da política de preços da Petrobras seguir a variação do mercado externo, parte considerável do GLP consumido no Brasil é importada. Assim, quando os preços sobem lá fora, sobem aqui também.
“O gás, como um bom derivado de petróleo, segue a tendência dos outros combustíveis e acumula uma alta histórica”, diz André Braz.
Câmbio
Com parte importante do preço do gás de cozinha atrelada ao custo lá fora, não surpreende que o real desvalorizado frente ao dólar também pese no bolso do consumidor brasileiro.
“Se a taxa de câmbio é a alta, faz necessariamente com que a gente tem um custo muito maior de importação e isso se reflete no preço final do petróleo e derivados”, explica Juliana Inhasz.
ICMS
O imposto estadual tem grande peso sobre o valor na bomba – e o valor final pago pelo consumidor em ICMS aumentou este ano em alguns estados. A alíquota, no entanto, não teve alteração.
Isso acontece porque o imposto é cobrado em cima de uma estimativa de preço médio pago pelos consumidores. Como o preço do GLP subiu, alguns estados aumentaram também o valor de referência sobre o qual é cobrado esse tributo.
Custos operacionais
O preço final do botijão também tem refletido uma alta nos custos de produção e logística. As distribuidoras do combustível têm pagado mais pelo transporte do produto – e esse custo é repassado aos consumidores.
“Os custos operacionais no geral estão, porque o custo de transporte, no limite, aumentou. Isso faz com que esse gás de cozinha chegue de fato mais caro ao fogão do brasileiro”, diz Juliana.

Comentários

Renan Xavier
Renan Xavier
Jornalista, Colunista deste portal, produtor de Rádio e TV e produtor e coordenador de produções na Real Mídia Produtora. Apresentador no Sistema Real de Rádios: Rádio Play, Rádio Mirandela Fm, Rádio Preferida FM, e outras rádio filiais, afiliadas e parceiras na rede. Técnico em TI, audio/ som e sites.

Inscreva-se

- Nunca perca uma notícia com notificações ativas

Últimas notícias

spot_img