24 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, maio 20, 2024
CasaRegião MetropolitanaBaixadaFestival Caleidoscópio leva representatividade racial e de gênero para o rap nacional

Festival Caleidoscópio leva representatividade racial e de gênero para o rap nacional

Data:

Notícias relacionadas

Instituto que ajuda pacientes de câncer sofre com alagamento

O grande temporal que assolou a baixada fluminense alagou...

Empreendedorismo: Mulher no volante é segurança constante

Quando se trata em pedir um carro de aplicativo,...

MC Cabelinho estará no 1° Love Hit no Shopping Grande Rio

O Shopping Grande Rio será palco da primeira edição...

São João de Meriti recebe Seminário político

O mês de setembro começa com mais um capítulo...

Quiosque inclusivo recebe currículos em Shopping da baixada

O Shopping Grande Rio recebe exclusivamente na Baixada Fluminense...
spot_imgspot_img

O Festival Caleidoscópio, um dos maiores eventos da Cultura Hip Hop Carioca, realizado na Baixada Fluminense há sete edições, será on-line novamente, e maior do que nunca. A programação começou no último dia 17 e vai até 05 de junho (Dia do Meio Ambiente), trazendo Representatividade como tema. Abrindo os trabalhos, no primeiro dia o rapper Dudu de Morro Agudo, DMA, deu as boas vindas a todos os participantes da 8º edição do evento.

O festival é diverso na frente e por trás das câmeras também, contando com cerca de 60% de mulheres como convidadas e membros da equipe, 81% de negros, e 26% de LGBTI . O Caleidoscópio contará com Master Classes, que começaram na última segunda-feira. Ainda estão previstos pockets shows, exposição de artes, feira criativa, painel de graffiti, apresentações de DJs, batalhas de MCs e plantio de espécies nativas da Mata Atlântica na Serra do Vulcão, em Nova Iguaçu.
“Analisamos a quantidade de mulheres, negros e LGBT na sociedade e trouxemos para dentro do festival. É um espaço importante que a gente não vê nos espaços de poder brasileiros. A gente vai para uma universidade pública e dependendo do curso, você nem vê pessoas negras. Você olha para o Senado e não vê, olha para o judiciário e não. Só nos vemos em trabalhos braçais, presídios e escolas de periferias. Queremos criar uma resistência”, aponta DMA, que além de rapper, é fundador do Instituto Enraizados, escritor, graduado em Sistema de Informação, mestre e doutorando em Educação pela Universidade Federal Fluminense.

A programação inteira está bem diversa, começando pelas Master Classes. Na segunda-feira, a MC/rapper Lisa Castro recebeu Yvie (produtora executiva, artística e mãe) e Naitha (produtora cultural, empreendedora, artista e mãe), para um bate-papo sobre Maternidade e Arte Independente.
Na terça, o tema foi Racismo e Internet, debatendo sobre as diversas facetas de como o crime de racismo migra do presencial para o mundo virtual. A mesa contou com as presenças de Sil Bahia (co-diretora executiva do Olabi e coordenadora da PretaLab) e Duda Vieira (gerente do Nós, hub focado em diversidade, do estúdio de criação Play9). A mediação foi de DMA.

Ontem, a mesa foi composta por Thiago Peniche (homem trans, criador de conteúdo sobre transgeneridade e bissexualidade. Ele é professor de Inglês e jornalista e fundador do projeto social Curso Es(trans)geiros); Quitta Pinheiro (produtora e fundadora da Baphos Periféricos); e contou com a mediação de Valentine (mulher trans, escritora, poeta, cantora, atriz, e slammer). A discussão doi sobre Pluralidades de Vivências Trans.
Finalizando a série de Master Classes, hoje, o tema será O Rap de Ontem, de Hoje e de Amanhã, e contará com as contribuições de Léo da XIII (rapper e produtor musical desde 2003, ex-campeão mundial de Hip Hop em Miami, nos Estados Unidos, e que hoje se destaca nos vagões dos transportes públicos, levando alegria e energia positiva para o público); Edd Wheeler (integrante do primeiro grupo de rap feminino no RJ a ter um trabalho fonográfico, o “Damas do Rap”, que surgiu nos anos 1990 nos bailes charmes do subúrbio do Rio). O encontro será mediado por Kall FBX (Fundador do Fator Baixada, grupo de rap que fundou quando ainda era um adolescente, no fim do ano de 1995, um dos primeiros grupos de rap da Baixada Fluminense).

Esta edição do Festival Caleidoscópio conta com patrocínio da Secretaria de Estado da Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro, com recursos da Lei Aldir Blanc. Confira a programação completa em: festivalcaleidoscopio.com.br.

Fonte: O dia

Comentários

Inscreva-se

- Nunca perca uma notícia com notificações ativas

Últimas notícias

spot_img